sexta-feira, 24 de junho de 2011

Arte, história e morte juntas... É possível e interessante.

Quando o tema é a morte, a maioria das pessoas torce o nariz. E não é para menos, viver ainda é a melhor opção. Ocorre que atua no segmento de saúde precisa conviver com a morte, faz parte da rotina. E, por isso, nada melhor do que ver algo de interessante nesse universo.

Recentemente lancei nos Estados Unidos o livro "Museus a Céu Aberto: um olhar sobre a arte e a história de necrópoles e monumentos históricos", onde abordo como as pessoas encaram a arte nas mais diversas formas como esculturas nos cemitérios. Pode parecer estranho, mas há belíssimas obras de arte de escultores como Victor Brecheret, Leopoldo e Silva, Emendabili e outros em Museus, praças e em cemitérios. As pessoas que admiram essas obras nos museus, nem sempre gostam de vê-las em um cemitério. Assim, o espaço interfere no interesse pela obra de arte.

Mais interessante é notar que muitas pessoas não entrariam em uma necrópole se lhes fossem ditas, mas visitam as pirâmides no Egito, o Taj Mahal na Índia, os Panteões, o Obelisco do Ibirapuera, etc, e todas são necrópoles.

Em diversos países milhões visitam cemitérios como o Père Lachaise na França, os cemitérios de New Orleans nos Estados Unidos além dos famosos cemitérios de Hollywood. Bem, o livro traz belíssimas imagens e histórias. Leia e descobrirá muito mais, de forma leve sem o peso desagradável da morte permeando o texto.

O livro pode ser adquirido no site da Amazon - http://www.amazon.com/ - o envio para o Brasil é praticamente o preço de um Sedex e é isento de impostos.

Brazil: An Ongoing Battle on the Medical Tourism Platform

Although it is a country known and internationally recognized by the vastness of the territory, natural resources and hospitable people, Brazil has a cultural history of following the more developed countries in the activities that are going well. Even in segments where it holds leadership, Brazil has not always acted with an entrepreneurial attitude. For instance, in the poor utilization of natural resources, the export of raw materials or non industrialized products of low value added, and the resistance to explore the possibilities that relatively new markets such as medical tourism. This is a growing trend worldwide and has been the focus of public policy of various governments.

    Despite the timid changes occurring in recent years with Brazilian companies opening subsidiaries or purchasing business units in other countries, the amount of participation in the world still falls short for a country the size of Brazil. The problem is even greater when the Brazilian bureaucracy and the indifference of the authorities discourage or even prevent the country to act freely in international trade, discouraging the exporting companies and professionals from other countries to work here with unnecessary barriers. It is no wonder that there is a brain drain to countries that offer opportunities and fertile ground for the development of new projects.

    In the case of medical tourism or health tourism, so far there are a number of factors that hinders the full participation of Brazil in that segment. Despite having world-renowned professionals, last year the country received less than 50 thousand medical tourists, while other countries with a lower health infrastructure received hundreds of thousands. It is a difficult task to list all the complicating factors and impediments that contribute to this scenario, however, among the principals are:
Definition
There is a lack of a defined strategy of the private sector, which is common to all hospitals, clinics and other providers of medical services. In this framework, each provider serves as they imagined being the best in the market. Having been isolated, they reduce the scope of its dissemination and consequently the prospects for success in other markets that are unaware of their existence or are simply not known. Acting together and with a well-defined strategy reduces the individual costs of the business and increases the chances for return on investment, especially for the so-called clusters of health.
Indifference
There is notorious indifference of the public sector for the medical tourism activities within and outside the country. When such a thing takes place, the public sectors’ actions are ineffective, and often leave much to be desired, as they do not work together with the private sectors to take effect.
Joint Effort
There is an evident need of concatenated and joint efforts between the public and private sectors. Although attempts occur, they are usually in isolated events without continuity or presentation of results for the segment. Despite the low transparency of actions, the results fall short of ideal for this whole industry.
Politics
Despite the good infrastructure of the country, some politicians are in charge of key areas like tourism and healthcare, and do not deal properly with travel in high seasons or other usual problems for big cities. Common situations in the world can turn into discouragement to tourists when they occur almost simultaneously; excessive violence in the main cities, chaotic traffic, poor transportation systems, lack of structure in the cities with which to receive those who speak other languages, among other obvious reasons.
Country Image
A negative image of the country within the international media also presents a problem. Unfortunately, it seems that the world has more negative than positive information of Brazil. Upon their arrival to Brazil, many tourists are surprised and dazzled to find that we are a modern and well-developed country. Very little to nothing is done by the authorities to prevent excessive negative exposure or even try to improve the image of the country within the world.
Focus
Hospitals are not focusing on areas in which they excel nor have a defined and established trademark (brand) used to attract everyone, everywhere. They imagine that selling an image of efficiency across all medical specialties, that they will be more attractive. It is great that a hospital holds excellence in many different specialties; however, there needs to be a clear identification of the areas that stand out and separates them from their competitors, by focusing for example on the rate of success in certain procedures.
Publicity
Accreditation systems, whether national or international are not being publicized properly. Some institutions invest small fortunes in obtaining an international accreditation seal, only to keep it almost hidden. The fact one hospital holds this confirmation of their high standard of quality of its services does not automatically guarantee the attraction of domestic and international customers. It is important that the institution act positively within its advertising, disclosing the seal with its services and showing it with alongside their own image.
International Patient Centers
Not many hospitals are armed with the internal structure necessary to receive patients from other countries. For example, many hospitals lack specialized staff who can speak other languages fluently. Good communication is crucial to business nowadays, and any miscommunication can potentially jeopardize the entire experience. When dealing with medical treatment the situation becomes far more complex because it is a person’s life in the hand of his or her physician and other professionals. Unfortunately, many hospitals seeking to attract international patients currently lack may of the basic tools to do so, such as signs in other languages, trained staff to mitigate the cultural impact of the patient, and often even health care professionals lack the preparation to meet patients' needs in an ideal timely manner.
International Participation
The lack of participation in international organizations and associations that operate in this segment or promote medical tourism or health, such as the Medical Tourism Association, where experienced professionals with a broad network of contacts can bring much exposure to our hospitals. Being featured and/or cited in international guides, specialized books, magazines and working with trained facilitators opens the door to the world, assisting in the dissemination and reducing the distance between the future patient and the hospital.
Country Brand
Although there is a good image of Brazil abroad linked to certain medical procedures or in the areas in which Brazil is renowned for its excellence, there still isn’t a "country brand" strong and well established enough overseas in the health sector. The good references that exist today in the areas of plastic surgery, orthodontic, oncology, orthopedic and artificial insemination were built over time by professionals who developed their own techniques, without government support.
Marketing
The lack of marketing abroad, or the establishment of communication with prospective consumers of medical services in the major cities of the United States and Europe to solidify the image of medical tourism destiny. Ads in magazines, newspapers, TV programs and events in cities like London and New York among others, are essential to become a known destination.
Attitude
An entrepreneurial attitude is essential in order to change the prevailing mentality. Good opportunities rarely come about without great efforts, and much less if there isn’t a change in the mentality of the entrepreneurs and the government as a whole. Innovation must be used to break old paradigms, which may currently prevent an institution or an entire country from becoming competitive in the market today. Patients seek new standards of hospitality and their attention has turned to the comfort, luxury and access to unconventional resources such as cultural and leisure activities in addition to many packages of medical treatment in other countries.
Infrastructure
Hospital infrastructure and accommodations are approaching the system used in currently by hotels. The hotel structure has become essential and one of the many differentials, as medical treatment has become an international commodity. We must bring the institution to international standards of hospitality by making it more attractive and more competitive in the international market. Unfortunately many hospital administrators in Brazil have resisted to embrace this idea and won't even dare consider it, unknowingly ignoring the potentially significant gain and highly profitable market shares.
It is imperative to realize that this set of factors which interfere with the participation of Brazil in the international market, does not present an impossible task to solve. Nor is this a widespread reality across the entire country. On the other side, Brazil has many hospitals and clinics that have prepared themselves adequately, and are offering their accredited services internationally. Although they are located mainly in major Brazilian cities, there are important institutions that are investing heavily in:
Hotel structure:
a new concept of hospitals and clinics focusing on natural light, an attractive and modern color scheme, shops, and restaurants. There are companies offering exhibitions, cultural activities and musical concerts that have become part of routine of the hospital. They also offer comfortable accommodations comparable to those of luxury hotels, managed by professionals from hotels and famous restaurants throughout Brazil, creating a climate conducive to hospitality, contributing to the welfare and improvement of the patient health.
Humanization of care:
the change of the environment in the hospital led to a change of its professionals' mentality; where the product (service) sold by the hospital is the "cure" and the "life", i.e. the hospital does not exist solely to treat illness and dying patients. The image of the hospital does not need to be tied to a cold and impersonal environment linked to pain and death. There is a warm environment with attention to individual and human needs with the inclusion of new professionals as the hospital staff. Patients can be accompanied by full time (caregivers), participate in musical and theatrical groups, have contact with (properly sterilized) small animals and the use of play spaces for children has also humanized and mitigated the pain of a hospital internship.
Hospital Accreditation:
many hospitals and clinics have sought these seals of quality that prove the excellence of its services, especially from institutions like the Joint Commission International-JCI, the Canadian Council on Health Services- CCHSA, and other institutions or service providers in each specialty as the Commission on Laboratory Accreditation of the College of American Pathologists (CAP) for laboratories. The search for international certification has become a way to testify for the clients in other countries that they may find here the same standard and quality of services in their own country.
The major problem is still the little involvement, support and encouragement of the government and the resistance of hospital administrators to go abroad and increase their participation in this profitable market. There are, however, some initiatives already underway, for example the participation of the APEX-Brazil (Brazilian Agency of promoting exports and investments) and a group of private hospitals seeking to attract some of the international demand through the dissemination of events in other countries. The hospitals and clinics that enter this market are well prepared, with a good infrastructure and eager to show what they can do. Moreover, the human warmth and receptiveness of the Brazilian people, high quality of services, low prices and the internationally recognized competence in various areas of medicine, certainly put Brazil as one of the main destinations of medical tourism in the coming years. As the situation is changing with more facilitators and providers interested in showing what Brazil has to offer in medical tourism, this country looks forward to a “key player” status within the medical tourism industry.
Adalto Felix de Godoi (MBA)
Published by the author in the Medical Tourism Magazine

El turismo de salud: Una visión de la hospitalidad mundial

Factores que influyen en un paciente al momento de escoger un destino médico. El pre y el postoperatorio también son relevantes a la hora de tomar una decisión.


Lei Estadual proíbe uso de jaleco fora do hospital

No início deste mês o Governo do Estado de São Paulo aprovou uma tão esperada lei que proíbe que os profissionais de saúde de utilizarem seus jalecos fora do ambiente de trabalho.
É de surpreender que alguns médicos se colocaram contra a lei, mesmo andando com seus jalecos sujos, rotos, arrastando pelo chão, no banco de trás do carro e alguns deles sem lavar durante semanas. É de surpreender por que são os mesmos médicos que informam seus pacientes do cuidado que precisamos ter com as roupas que usamos devido aos danos provocados pelas bactérias, da troca da roupa de cama devido aos ácaros, e até mesmo quão perigoso é um uniforme sujo de um cozinheiro de um restaurante.
É verdade, estamos repleto de bactérias, que aliás são muito úteis quando morremos. Porém, uma coisa é termos nossa "fauna" própria e outra é o médico se transformar em um vetor de contaminação, até porque como um velho ditado diz, e muitos médicos odeiam, "Segredo de médico, a terra esconde".
O que acredito é que não deveria ser necessário lei para isso, tampouco para os médicos deixarem de usar seus estetoscópios nos pescoços (Statuscópio). Talvez também não precisem ser lembrados de lavar as mãos antes e depois do atendimento médico, embora não faltam estudos que comprovem os benefícios dessas medidas, e nem todos fazem. Pacientes e outros profissionais se sentiriam muito mais seguros sabendo que seu médico segue estritas normas de higiene.
Segue a lei abaixo.
LEI ESTADUAL Nº 14.466, DE 8 DE JUNHO DE 2011Diário Oficial do Estado; Poder Executivo. São Paulo, SP, 9 jun. 2011, Seção I. p.1

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO:
Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei:

Artigo 1º - Ficam todos os profissionais de saúde que atuam no âmbito do Estado proibidos de circular fora do ambiente de trabalho vestindo equipamentos de proteção individual com os quais trabalham, tais como jalecos e aventais.

Artigo 2º - O profissional de saúde que infringir as disposições contidas nesta lei estará sujeito à multa de 10 (dez) Unidades Fiscais do Estado de São Paulo (UFESP), aplicada em dobro em caso de reincidência.

Parágrafo único - As penalidades decorrentes de infrações às disposições desta lei serão impostas, nos respectivos âmbitos de atribuições, pelos órgãos estaduais de vigilância sanitária.

Artigo 3º - As despesas decorrentes da execução desta lei correrão à conta das dotações orçamentárias próprias, suplementadas se necessário.

Artigo 4º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.

Palácio dos Bandeirantes, 8 de junho de 2011.

GERALDO ALCKMIN

Giovanni Guido Cerri
Secretário da Saúde

Sidney Estanislau Beraldo
Secretário-Chefe da Casa Civil

quarta-feira, 22 de junho de 2011

O turismo de saúde incidental e suas implicações para o turista

            Viajar e conhecer outros povos e culturas é um dos raros prazeres que uma pessoa pode gozar e levar consigo durante toda a vida. Como escreveu Santo Agostinho, o homem que não viaja, de um livro lê apenas a primeira página. É indescritível o prazer de conhecer outras culturas, perfumes, sabores e retornar enriquecido e extasiado com a vivência de novas experiências.
             Porém, nem tudo é perfeito, imprevistos ocorrem e podem transformar qualquer viagem dos sonhos em um grande pesadelo. Cerca de 9% dos atendimentos em hospitais nos destinos turísticos dos Estados Unidos, são destinados aos turistas. São acidentes e incidentes a que todos estamos sujeitos a qualquer momento e em qualquer lugar. Uma febre repentina, uma queda com fratura ou um infarto não escolhe data e local para ocorrer. E para muitos, não poderia ser em pior hora e lugar, que durante as férias e em outro país.
            Apesar do susto, não seria um grande problema não fosse os crescentes e inevitáveis custos de saúde e de tratamento médico que crescem a uma média de 8% ao ano em todo o mundo, principalmente nos Estados Unidos e Europa. Por ironia, justamente os destinos mais visitados. O alto custo dos serviços de saúde tem obrigado muitos europeus, canadenses e principalmente americanos a viajarem para países em que há uma oferta de tratamento médico menos dispendioso. Uma cirurgia cardíaca nos Estados Unidos pode custar de U$ 40 mil a U$ 200 mil em despesas médico-hospitalares, dependendo do porte e tempo de internação. Apenas em 2006, mais de um milhão de americanos foram à falência ou enfrentaram sérios problemas financeiros, por custearem algum tipo de tratamento médico com recursos próprios.
            Como resultado tem sido cada vez maior o número de viagens para tratamento médico em outros países especialmente na América do Sul e na Ásia, e que apesar de se encontrarem em estágio de desenvolvimento, oferecem uma excelente infra-estrutura e padrão de qualidade semelhante ao dos países desenvolvidos, e um custo muito inferior, o que os possibilita oferecer preços menores. Apenas em 2007, estima-se que cerca de 750 mil americanos viajaram para outros países em busca de tratamento médico.
            Conhecido o Brasil como turismo de saúde, o turismo médico como é conhecido nos Estados Unidos e Europa, têm crescido de forma sustentável na última década estimulando alguns países asiáticos como Cingapura, Índia e Tailândia a oferecerem seus serviços médicos como um dos principais produtos de exportação, concorrendo em preços e qualidade com os grandes centros mundiais.
            O turismo de saúde tem crescido, aproveitando-se do aumento dos custos hospitalares e de tratamento médico nos países considerados de primeiro mundo. Fatores como o alto custo da mão-de-obra profissional, investimento em tecnologia, equipamentos de precisão e alta complexidade, assim como o crescente mercado da medicina defensiva, onde médicos e hospitais preparam-se financeiramente contra processos judiciais, tem elevado os custos dos tratamentos a valores exorbitantes.
            O Turismo de Saúde pode ser entendido de duas formas, o planejado e o incidental. No planejado, a pessoa programa o tratamento inserindo na viagem atividades turísticas, culturais ou de lazer, antes ou depois do tratamento. No incidental ocorre o inverso, com o turista usufruindo de uma viagem turística e sendo obrigado a recorrer a algum atendimento médico emergencial no destino turístico. No incidental, o grande problema é que normalmente não há escolhas, sendo utilizado muitas vezes o hospital mais próximo ou de referência na localidade turística independente da escolha do acidentado, o que pode resultar em gastos elevados e inesperados.
            Em muitos casos, os custos decorrentes de atendimentos emergenciais são muito superiores aos programados, em que há uma negociação prévia. Nos Estados Unidos, grandes operadoras de saúde já estão expandindo sua rede credenciada para outros países, oferecendo aos clientes além do tratamento, passagens aéreas, alojamento e alimentação, custeando também um acompanhante e atividades de lazer. E ainda a um custo muito inferior ao que teriam no próprio país.
            Se o custo de um tratamento médico é dispendioso para os cidadãos com um elevado padrão de vida nesses países, bem mais difícil fica a situação para aqueles turistas surpreendidos durante uma viagem ao exterior. Não deveria causar surpresa a exigência de seguros saúde por parte das autoridades de alguns países que desejam preservar seu sistema de saúde, e proteger o turista de dissabores durante alguma infeliz eventualidade.
            Assim, para o país exportador de serviços médicos, o turismo médico ou de saúde surge como uma grande oportunidade de negócios. Para o setor de turismo, como mais um nicho de mercado a ser explorado. Para quem procura alternativas ao alto custo do tratamento médico em seu país, especialmente Estados Unidos e Europa, um mundo de novas possibilidades. Porém, para o turista que pode tornar-se um paciente incidental durante sua viagem, o alerta de viajar apenas se possuir um seguro como garantia.

 

Turismo de Saúde e hospitalidade: uma visão da hospitalidade mundial

O turismo de saúde (Medical Tourism) tem presenciado um crescimento constante e sustentável nos últimos anos, transformando-se em um dos muitos serviços geradores de receita em hospitais de primeira linha (ou considerados “Top” de mercado) localizados em diversos países, seja na Europa, Américas ou Ásia. Na busca por um tratamento médico ou alguma forma de recuperação da saúde, um número cada vez maior de pessoas tem viajado a diferentes países, tornando-se o que se convencionou a chamar “turistas de saúde”, estimulando dois setores importantes da economia que são o turismo e a saúde.
            Embora o termo turismo de saúde possa trazer à mente algo relativo ou voltado exclusivamente ao turismo, trata-se na verdade de uma atividade ligada mais à área de saúde do que necessariamente do turismo. Este apenas tipifica a tipologia adotada sendo um segmento que oferta a infra-estrutura para que o cliente de saúde viaje e tenha suas necessidades satisfeitas nesse período. Vai mais além quando complementa o período de recuperação, ou pré e pós-tratamento com atividades culturais, de lazer ou propriamente turísticas. Assim, o termo adotado não furta a característica principal da atividade que é a busca pela cura e não de uma viagem turística de lazer ou de férias.
            O número de países emissores é cada vez maior, tendo em vista que as condições econômicas, sociais e mesmo a carência ou insuficiência de serviços de excelência em saúde, tem aumentado o fluxo de pacientes para os diversos países receptores no mundo como a Índia, Tailândia e Cingapura. Na América do Sul os principais países que recebem turistas de saúde são a Argentina, o Brasil, Cuba, Costa Rica e México.
            As motivações são diversas e podem variar de acordo com o país emissor, em alguns pode prevalecer a motivação econômica e em outros a inexistência de hospitais de alta complexidade. De uma forma geral os principais motivos para a realização dessas viagens e tratamentos em outros países podem ser resumidos em:

  • Motivação Econômica
            Com o aumento do custo de saúde em países considerados ricos ou de primeiro mundo, especialmente os Estados Unidos (o principal emissor de turistas de saúde), tendo um montante de 84 milhões de americanos sem cobertura para assistência médica particular ou parcialmente cobertos por seus seguros, ou ainda 120 milhões sem assistência odontológica, há um enorme contingente de americanos que se encontram em difícil situação quando adoecem ou precisam de algum tratamento médico-hospitalar.
            Os custos crescentes e aviltantes da saúde têm transformado muitos americanos de credores a devedores. Há quem precise hipotecar a casa ou ainda contrair empréstimos para pagar ou complementar o que o plano de saúde não cobre. Os altos valores cobrados pelos hospitais e médicos, os inevitáveis complementos que sempre surgem após alguma hospitalização, a beligerância jurídica transformou o mercado de saúde americano numa grande oportunidade para outros países explorarem.
            É cada vez mais comum relatos de pacientes, que fizeram um tratamento dentário que custaria US$ 24,000 nos Estados Unidos, custar US$ 11,000 no México em Puerto Vallarta, incluindo 2 semanas de férias pela Costa do Pacífico. Ou ainda um tratamento de US$ 6,600 nos Estados Unidos custar US$ 2,600 na Costa Rica incluindo uma semana de férias pelas florestas tropicais. Os preços podem chegar a 10% do valor do tratamento, incluindo a viagem, hospedagem, alimentação, acompanhamento profissional e atividades de turismo e lazer.
            Não é de se surpreender que milhares de americanos além de pessoas de diversas nacionalidades perceberam que podem realizar os mesmos procedimentos, com as mesmas garantias encontradas em seu país, em outros países e com um valor muito inferior. Muitos estrangeiros utilizam ainda esse excedente financeiro que sobra para fazer alguma atividade cultural, de lazer ou turística complementar. O quadro abaixo mostra a diferença de valores cobrados pelos mesmos procedimentos cirúrgicos em diferentes países. É possível perceber a grande diferença do valor cobrado nos Estados Unidos e em outros países para os mesmos procedimentos médico-hospitalares.
Tabela comparativa do custo de cirurgias em alguns países em dólares

Procedimento
Custo nos EUA
Custo na
Índia
Custo na Tailândia
Custo em Cingapura
Custo na Malásia
Cirurgia Cardíaca
US$130,000
US$10,000
US$11,000
US$18,500
US$9,000
Troca de Válvula cardíaca
US$160,000
US$9,000
US$10,000
US$12,500
US$9,000
Angioplastia
US$57,000
US$11,000
US$13,000
US$13,000
US$11,000
Cirurgia de quadril
US$43,000
US$9,000
US$12,000
US$12,000
US$10,000
Histerectomia
US$20,000
US$3,000
US$4,500
US$6,000
US$3,000
Cirurgia de joelho
US$40,000
US$8,500
US$10,000
US$13,000
US$8,000
Cirurgia na coluna
US$62,000
US$5,000
US$7,000
US$9,000
US$6,000

Fonte: WOODMAN (2007, 7)

            Uma análise subjetiva ou primária pode passar a falsa impressão que trata-se de médicos e demais profissionais de saúde com qualificações inferiores, ou hospitais simples desprovidos de todo aparato tecnológico existente em países avançados. Ledo engano. Boa parte dos médicos nesses países estudou em universidades de renome nos Estados Unidos e Europa, com um currículo muitas vezes superior ao dos seus colegas de nações mais desenvolvidas. Os hospitais costumam superar os existentes no primeiro mundo, seja pela qualidade das instalações, seja pelos mesmos padrões e exigências seguidos nesses países, utilizando-se inclusive das mesmas certificações.
É cada vez maior o número de americanos e europeus que procuram hospitais em outras partes do mundo, visando realizar os mesmos procedimentos com igual segurança e tranqüilidade despendendo muito menos, e ainda associando a recuperação a atividades turísticas. Os valores menores não são fruto de mágica econômica, mas de um custo menor na operacionalização da infra-estrutura hospitalar, do menor custo com mão-de-obra especializada, e mesmo com serviços que não oneram demasiadamente as instituições de saúde.

  • Motivação pela Qualidade
            Há alguns anos atrás uma pessoa que desejasse realizar algum procedimento médico-hospitalar de alta complexidade ou de risco, e que dispusesse de recursos financeiros suficientes, viajava a outros países do primeiro mundo pela dificuldade em encontrar serviços semelhantes com tecnologia e qualidade e competência profissional disponível no seu.
            Ocorreu uma inversão nesse fluxo com as mudanças ocorridas no universo da saúde, resultando em hospitais com padrões de atendimento semelhantes ou superiores aos dos existentes nos países do primeiro mundo. Dentre os fatores que tornaram isso possível podem ser elencados:
  • O acesso à tecnologia que permitiu que equipamentos de ponta ou recém-lançados estejam em operação rapidamente em outros países se igualando em tecnologia e capacidade técnica.
  • Um número cada vez maior de profissionais de todas as áreas da saúde que estudam, fazem aperfeiçoamentos ou participam de pesquisas em universidades e hospitais renomados no exterior.
  • Larga utilização de programas e sistemas de avaliação da qualidade sendo implantados em numerosos hospitais com sucesso, tornando os processos e gestão mais eficientes além de produzir mais resultados. Principalmente a Certificação por instituições idôneas e reconhecidas mundialmente como a americana JCI (Joint Commission International), a canadense CCHSA (Canadian Council on Health Services) que avaliam os hospitais como um todo, dentro dos mesmos padrões de qualidade na assistência internacionais; e em setores isolados a ISO (International Standardization for Organization) mais limitada no ambiente hospitalar, porém de inestimável valia.
Certificações e programas da qualidade, reconhecidos internacionalmente, garantem aos turistas de saúde que eles encontrarão em hospitais fora do seu país o mesmo padrão de qualidade e segurança exigidos em seu próprio país, pelos mesmos órgãos acreditadores ou certificadores.

  • Motivações derivadas de Barreiras Étnicas, Culturais e Religiosas
Grande parte das pessoas que procuravam países como os Estados Unidos para alguma forma de tratamento passaram a procurar outros destinos após o atentado de 11 de setembro de 2001 em Nova Iorque. Dificuldades impostas pelo governo americano em nome da segurança; a desconfiança que se seguiu a estrangeiros de determinadas nacionalidades; barreiras à entrada de imigrantes e problemas culturais que acentuaram a xenofobia em algumas regiões estimularam muitos a procurarem alternativas em outros países mais receptivos.
A incerteza quanto ao respeito à religiosidade e fé de alguns grupos, aliado ao preconceito e barreiras culturais tem motivado muitas pessoas a migrarem para locais mais amigáveis ou que não resultem em constrangimentos quando de tratamentos médicos e procedimentos estéticos como uma cirurgia de troca de sexo.

  • Motivações devido à boa oferta de Infra-Estrutura
Houve o surgimento de um novo conceito nos hospitais, conhecido no Brasil como hotelaria hospitalar, que além de resultar em novos modelos de hospitais (design, cinco estrelas, alto luxo, etc.) alteraram sua planta e estrutura de forma a tornarem-se tão confortáveis e luxuosos como hotéis cinco estrelas, permitindo que a estada do paciente seja menos penosa e auxiliando no bem-estar do cliente durante o período de tratamento.
Foram introduzidos uma ampla gama de novos serviços que com um atendimento personalizado tem reduzido o estresse e o desgaste provocado pelas internações hospitalares. Novos espaços mais aconchegantes, decoração moderna, funcional, iluminação diferenciada e utilização de cores, música e artes, aliaram-se aos serviços de gastronomia internacionalizada e atendimento pessoal bem distante dos hospitais tradicionais. Mais que isso, os hospitais assumiram uma nova imagem voltada para a cura e o bem-estar dos clientes, e não mais aquele ambiente doentio e frio comum aos hospitais de outrora.
Arquitetura diferenciada, a atuação de decoradores, utilização de iluminação natural complementado com quartos confortáveis e serviços antes exclusivos de hotéis de luxo como restaurantes com prestigiados chefs, gerentes de hotelaria e concierges, passaram a ser uma rotina nos hospitais privados de alto padrão. A parceria com instituições de outros países estimulou a troca de informações e diferenciação dos serviços, como estratégia de marketing para captar e fidelizar a clientela de alto poder aquisitivo e que possui os melhores planos de saúde ou podem arcar com as despesas em dinheiro.

  • Motivações voltadas para o Calor humano/Receptividade
Outro fator que tem um peso relativo, porém que não pode ser ignorado na escolha do destino é o calor humano do país anfitrião. Embora seja uma escolha racional e justificada por razões técnicas, a receptividade e o cuidado dispensado ao estrangeiro costumam ser maior que a dispensada ao autóctone nesses países, influenciando mesmo que minimamente a decisão pelo destino. Como alguns livros que abordam o turismo de saúde, o tratamento caloroso e a atenção personalizada compensam em muito os dissabores de longas viagens, e é relevante quando se considera o frio tratamento dispensado na grande maioria dos países.
Não bastasse o calor humano, para enfrentar as dificuldades ou barreiras lingüísticas e culturais, alguns hospitais como ocorre na Tailândia contam até mesmo com o apoio de uma agência de turismo dentro do hospital ou algum receptivo na localidade para viabilizar todo o trâmite relativo à viagem, hospedagem e atividades complementares como culturais e de lazer que o cliente desejar.
A especialização e o foco em determinadas áreas da medicina tornaram alguns países referências em cirurgias e tratamentos. Já existem diversas publicações, principalmente nos Estados Unidos, como livros que indicam e orientam os pacientes a encontrarem o país certo para o tratamento desejado. Alguns países são conhecidos internacionalmente como referência em determinados campos da saúde, conforme o quadro abaixo mostra. Embora estes e outros países sejam referências em numerosos outros procedimentos, ainda não são tão conhecidos ou mesmo divulgados ao turista de saúde.

País
Procedimentos mais procurados
África do Sul
Fertilidade (diagnóstico e tratamento)
Antígua
Recuperação de viciados (drogas e afins)
Brasil
Cirurgias plásticas, abdominais e ortopédicas
Índia
Cirurgias cardíacas e ortopédicas
Hungria
Talassoterapia
México
Tratamento dental

Fonte: WOODMAN (2007, 5)
A indicação e escolha estão relacionadas a diversos fatores como a capacidade da equipe médica, serviços oferecidos pelo hospital, o atendimento ao paciente no próprio idioma, respostas satisfatórias aos questionamentos do paciente, infra-estrutura adequada do hospital, certificação internacional, currículo do médico, serviços de apoio fora do hospital, dentre outros requisitos. Apesar das barreiras lingüísticas e culturais, o aumento rápido dessa atividade e o testemunho positivo de quem tem procurado tratamento fora do país, tem feito numerosos hospitais se voltarem para esse público altamente rentável.
A mudança pode ser percebida nos esforços de governos em divulgar sua capacidade instalada na área de saúde em congressos e eventos internacionais, viabilização de vistos e estímulo aos dois setores. Por outro lado os hospitais têm procurado agregar valor aos seus serviços adequando-os também aos padrões internacionais na expectativa de aumentar sua participação nesse mercado. No sentido inverso, operadoras de saúde já estudam expandir sua rede credenciada para países fora do território onde operam, custeando apenas o tratamento médico caso o cliente desejar.

A hotelaria hospitalar como estímulo ao turismo de saúde
Dentre as principais mudanças percebidas nos últimos anos nos hospitais e que estimulou o turismo de saúde, está a hotelaria hospitalar que trouxe consigo uma filosofia de atendimento diferenciado ao cliente de saúde com uma estrutura similar à encontrada em hotéis de luxo.
Embora surgisse como apoio ao atendimento médico e da enfermagem ao minimizar o desgaste e o estresse provocado por uma internação hospitalar, a hotelaria hospitalar contribuiu para humanizar o hospital e tornou-se uma estratégia bem sucedida de venda dos serviços, por associar a imagem do hospital à qualidade e competência técnica, atraindo os melhores profissionais e resultando em ganhos diversos para a instituição hospitalar. A boa imagem do hospital vende sua competência, promovendo ainda mais a imagem do hospital.
Esse modelo de hospitalidade difundiu-se com vigor pelo mundo sendo aplicado principalmente em hospitais na Ásia e recentemente em hospitais na América do Sul, onde o atendimento e satisfação das necessidades e desejos dos clientes são levados a sério. Uma característica forte nos novos hospitais são entradas e lobby amplos, espaçosos e iluminados naturalmente. Utilização de escadas rolantes, plantas e valorização do espaço aberto com iluminação natural. Há uma similaridade com o ambiente de grandes hotéis, com serviços tais como porteiro social, mensageiros, lojas diversas no lobby, música ambiente, exposição de artes e outros serviços até então incomum na área de saúde.
Os postos ou unidades de enfermagem possuem uma iluminação e decoração diferenciada. Há uma fuga do padrão básico comuns aos hospitais, e a utilização de temas diferentes nas enfermarias ou unidades de internação. O resultado são ambientes mais acolhedores e mais “humanos”. Nos hospitais as suítes são confortáveis e possuem sala de reunião e/ou de espera amplas e decoradas com cores vivas ou quentes. Quartos com cores mais amenas e amplo espaço. Pisos acarpetados, utilização de sofás/poltronas de tecido com almofadas, plantas, camas automáticas, american bar dentre outras comodidades.
Os corredores e áreas de espera fogem ao padrão tradicional de locais fechados com paredes vazias ou apenas televisores para distração. Espaços procuram ser aconchegantes e que reproduzem um clima de acolhimento e distante do pesar comum a alguns ambientes hospitalares. A espera torna-se menos desgastante e cansativa, e mesmo a circulação menos tensa. O mesmo hospital utiliza-se de decorações diferenciadas para espaços comuns como corredores, não sendo todos iguais. Há sempre algo que retira parte da frieza do clima hospitalar.
Há uma grande quantidade de serviços adicionais oferecidos por muitos hospitais em diversos países, indo além das lojas de flores, souvenires e medicamentos. Algumas das mais incomuns são agências de viagens, equipamentos para acesso a internet, restaurantes e cafeterias de marcas tradicionais como Starbucks e McDonalds, que embora cause algum estranhamento a muitos profissionais, destina-se ao atendimento de visitantes, acompanhantes e funcionários, como uma Unidade de Negócio. Pouco adianta vender uma imagem saudável ao manter distância de fast food, se muitos clientes atravessarão a rua e utilizarão o restaurante rápido mais próximo. Para muitas culturas ainda é e continuará sendo algo gritante e sem sentido.
A necessidade de comunicação e acesso à internet não é diferente para pacientes e acompanhantes, principalmente em viagem, o que tem motivado vários hospitais a disponibilizarem espaços específicos como business center, cyber corner,  teatro e espaço infantil.
            Embora não haja tanta diferenciação da infra-estrutura e dos serviços utilizados em diferentes países, alguns detalhes chamam a atenção como pisos de madeira, plantas e flores, carpetes, cortinas de tecido, e poltronas e almofadas dentro dos quartos dos pacientes. São móveis e objetos higienizados adequadamente e que não interferem de forma negativa na recuperação do paciente. Embora não sejam itens aceitos em alguns países por estarem ligados a contaminação, risco de infecção dentre outras justificativas, em diversos países são parte da rotina e do mobiliário hospitalar.
            Não sendo diferentes dos demais, esses hospitais também são acreditados por instituições sérias como a Joint Commission International, cujos padrões de qualidade e segurança ao paciente são exemplares mundialmente. Gozando inclusive de baixos índices de infecção hospitalar e altos índices de resolutividade. Dados que normalmente são utilizados por pessoas que procuram tratamento médico em outros países.
            No entanto, é de suma importância entender e respeitar aspectos culturais e administrativos adotados em diferentes países. No mesmo hospital, o médico cuida de uma vida e o gestor administra uma empresa. Os negócios não podem em alguns momentos serem confundidos.
            Com o aumento do fluxo internacional de turistas e procura por hospitais em diferentes partes do mundo, expandiu-se uma atividade até então interna na maioria dos países. A diferenciação dos serviços e busca de novas alternativas de receita para hospitais pode ser um fator determinante na participação desse mercado segmentado e altamente rentável. As empresas que querem mudar encontram sempre algo para fazer, para as demais não faltarão desculpas.

Referências


BOOKMAN, Milica Z; BOOKMAN, Karla R. Medical tourism in developing countries. New York/USA: Macmillan, 2007.
GODOI, Adalto F. Hotelaria hospitalar e humanização no atendimento em hospitais. 2ª ed. São Paulo: Ed. Ícone, 2008.
MOORE, Michael. Sicko. Eat Dog Films. Genius Products, llc. Dolby Digital. Color. English. 123 mins. The Weinstein Company. USA. 2007.
Manual internacional de padrões de certificação hospitalar. Consórcio Brasileiro de Acreditação de Sistemas e Serviços de Saúde. Rio de Janeiro: CBA, 2005.
WOODMAN, Josef. Patients beyond borders. Chapel Hill/USA: Healthy Travel Media, 2007.